O que seria das crianças?

Quantas vezes passamos por jardins, ou até mesmo ao cuidar dos nossos, vemos a seguinte situação: uma planta, ou um broto de árvore, que ao começar se desenvolver, pende para algum lado, e com isso corre o risco de ficar feio e até mesmo inutilizável. O que faz, então o jardineiro? Amarra junto a ela um apoio, que poderá ser até mesmo um pedaço de madeira, e assim o vegetal crescerá retilíneo e embelezará o jardim no qual está plantado.

O mesmo se passa, muitas vezes, (para não dizer a maioria) com os homens: quando nascem, necessitam de muitos cuidados. Mas quando começam a crescer, estes precisam multiplicar-se para que a criança ou o jovem não pendam para o lado dos vícios e do pecado.

E nessa fase, ditosas das crianças que possuam junto a si não só bons pais e bons professores, mas religiosas, dedicadas e piedosas, que esforçam-se por formá-las e encaminhá-las para a virtude e para a religião. Quantas nações foram prósperas enquanto tiveram grande número de religiosas educando as crianças, e que ao perderem esse tesouro, perderam também toda a moralidade e a segurança de seu país.

Assim o vemos em Moçambique, em uma grande quantidade. Inúmeras religiosas que para lá se dirigem, provenientes de todas as partes do mundo, para servir ali a Igreja, e especialmente para auxiliar aos jovens e às crianças. Quanta gratidão a essas irmãs! O que seria deles, se elas não existissem?

Tomemos por exemplo, as Irmãs Pilarinas que tem sede em Maputo. Elas estiveram na sede dos Arautos do Evangelho, levando consigo as crianças de que cuidam, para que pudessem assistir a um presépio de som, luz e movimento feito por nossa Congregação, e para rezar em nossa Capela. Além disso, çevaram uma bela lembrança: um calendário de 2014, com uma bonita foto de Nossa Senhora. As crianças gostaram muito, porém notava-se no semblante das generosas irmãs uma alegria ainda maior em poder fazer bem a essas pequeninas e inocentes almas.

Rezemos para que as vocações religiosas possam a cada dia florescer com mais vigor e quantidade, pois assim não só a juventude, mas toda a humanidade poderá salvar-se do abismo para o qual está rumando. Quanto medo, apreensão e incerteza pairam pela mente das pessoas atualmente. Se a vida religiosa fosse mais propagada e seguida, isso existiria?

This entry was posted in alma, Arautos do Evangelho, crianças, inocência, irmãs pilarinas, juventude, Maputo, Moçambique, religião, religiosa and tagged , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

3 Responses to O que seria das crianças?

  1. Pingback: O que seria das crianças? | Arautos do Evangelho

  2. Antonio Lucas H. de Paiva says:

    Com certeza, não existiria!

  3. Imprecionante!!! É muito triste ouvir de populares e protestantes ditos pejorativos a respeito das irmãs e missionários católicos, iss
    o até revela uma insensibilcdade misturada com muita ignorância. De facto, este país seria um campo de concentração sem as gloriosas irmãs e sem as missões católicas. Dá para perceber nas fotos que essas crianças se sentem filhas das Religiosas que as cuidam e que a alegria delas é indizível. Muita força e orações… Salve Maria!

Deixe uma resposta