A Festa de Corpus Christi em Maputo

Arautos em Moçambique

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tudo o que Deus faz é perfeito; ainda que, a primeira vista, diante dos olhos semi-cegos dos homens, aparente ser insensato.

 

Arautos do Evangelho em África

 Quando Nosso Senhor, Jesus Cristo, anunciou que somente quem comece do seu Corpo e bebesse do seu Sangue, é quem herdaria o trono principesco da pátria Celeste, muitas pessoas se distanciaram do Divino Mestre, até mesmo entre aqueles que o seguiam de Perto (São João; Capítulo 6, Versículos 48-66).  Quem de nós se estivesse naquela época – sem uma especial graça de Deus – não tomaria a mesma atitude? Entretanto, depois da Instituição da Festa do Corpus Christi, no dia 11 de Agosto 1264, pelo Papa Urbano IV, através da bula Transiturus de Hoc Mundo, e a oficialização das procissões eucarísticas que o Concílio de Trento fez, em meados do século XVI, – dentro dos desígnios de Deus – as coisas tomaram outro aspecto.Arautos em Moçambique

 

Anualmente o Povo de Deus se reúne à volta do tesouro mais precioso herdado de Cristo, o Sacramento da sua própria presença, e O louva, canta e leva em procissão pelas ruas da Cidade, como atesta o ocorrido no dia 26 de Junho, domingo passado, na Arquidiocese de Maputo: depois das comemorações a guisa de Solenidade
de Corpo de Deus em todas Paróquias, comunidades, Núcleos de Orações e  até mesmo em capelas mais privadas de religiosos e de famílias, os fiéis da Arquidiocese de Maputo, distintamente caracterizados de uniformes diversos para identificar suas proveniências e ministérios, acorreram para Paróquia de Nossa Senhora das Vitórias, a fim de unir-se ao Clero local constituído de Cardeal, Bispos, Monsenhores, Presbíteros, Diáconos e religiosos de vida consagrada para iniciar-se a soleníssima Procissão que, percorrendo as largas avenidas da Cidade de Maputo,  culminou na Sé Catedral.

DSC05806

 Qualquer pessoa, por menos religiosa que fosse, ao contemplar aquela procissão encabeçada de Acólitos  portando a Cruz processional, revestidos de alvas túnicas,  seguidos de Sua Excelência Dom Francisco Chimoio, portando uma enorme custódia com O Santíssimo Sacramento sob um Pálio que era sustentado por seis pessoas, cortejado pelo resto do Clero, Ministros  da Eucaristia e milhares de fiéis entoando cânticos em harmonia com a Banda musical dos Arautos do Evangelho de Moçambique, sem dúvida ficaria tocada no mais fundo de sua alma. O itinerário da procissão comportou paragens, nas quais, o presidente da Celebração, proferia palavras de acção de graças, louvores e com o público em geral adoravam a Jesus sacramentado.Moçambique_Maputo_Arautos do Evangelho

 

Quando se chegou na Catedral, todos se postaram genuflexos, em atitude de profunda Adoração, enquanto os acólitos incensavam a Jesus Hóstia. A atmosfera era eminentemente sobrenatural e a grande piedade daquela multidão de fiéis certamente subia ao Deus três vezes santo como um incenso de agradável odor.  Sem dúvida, foi o dia muito significativo para todos.

Deixe uma resposta