Arautos em Camarões

Do dia 1º ao 22 de outubro, a imagem peregrina do Imaculado Coração de Maria percorreu as terras do país de Camarões, levada por três membros dos Arautos do Evangelho. Como sói acontecer com a presença virginal da Mãe de Deus, uma chuva de graças fez-se sentir em todos os povoados, paróquias, Igrejas, escolas e casas onde ela esteve presente.

No itinerário da peregrinação, foi visitada uma Paróquia de Nanga Eboko, onde vivem terciários dos Arautos do Evangelho, com um entusiasmo sem fim da parte dos fiéis. Logo depois, na Diocese de Mamfe, apesar do tardio horário em que chegou a imagem, sacerdotes e povo receberam a Virgem Maria de braços e coração abertos, com cantos, danças, procissão, orações e muito fervor. É de se fazer notar que alguns fiéis precisam caminhar de 5 a 6 horas para chegar à Paróquia. Entretanto, lá estiveram com muita alegria e devoção.

Também muitos colégios desta região foram visitados, inaugurados novos oratórios e realizadas pequenas palestras dirigidas pelos Arautos sobre a devoção a Nossa Senhora.

Por fim, o Bispo de Mamfe, D. Andrew Nkea Fuanya, presidiu uma solene Celebração Eucarística na Catedral.

É muito belo ver que num país onde prepondera a pobreza e em que a Igreja Católica é tão recente – somente 100 anos de vida- a fé e a devoção a Maria dão alegria e entusiasmo a todos para caminhar nesta terra com os olhos colocados no céu.

Escravo dos africanos para sempre! – III

Concluimos hoje a descrição da vida de São Pedro Claver, santo dedicado ao apostolado com os africanos que aportavam nas américas.

Queira Deus que essas linhas possam ter inspirado muitos de nossos leitores a rezar por este povo, e mesmo os estimulado a auxiliá-lo materialmente ou, por que não? pessoalmente.

Reflexos de um imenso amor

Sua ardente e inextinguível sede de almas era apenas o transbordamento visível das labaredas interiores que consumiam a alma deste discípulo de Cristo. Significativos indícios levantam um tanto o véu que cobriu durante sua vida o altíssimo grau de união com Deus que ele havia atingido.

“Todo o tempo livre de confessar, catequizar e instruir os negros, dedicava- o à oração”, narra uma testemunha. Repousava diariamente apenas três horas, e passava o resto da noite de joelhos em sua cela ou diante do Santíssimo Sacramento, em profunda oração, muitas vezes acompanhada de místicos arroubos. Grande adorador de Jesus-Hóstia, preparava-se todos os dias durante uma hora antes de celebrar o Sacrifício do Altar, e permanecia em ação de graças meia hora após a Missa, não permitindo que ninguém o interrompesse nesses períodos.

Ilimitada também era sua devoção a Nossa Senhora. Rezava o Rosário completo todos os dias, ajoelhado ou andando pelas ruas da cidade, e não deixava passar nenhuma festa d’Ela sem organizar solenes celebrações, com música instrumental e coral.

Longo calvário

Aquele varão, que tinha passado a vida fazendo o bem, que tantas dores havia aliviado e tantas angústias consolado, teve de padecer, como seu Divino Modelo, indizíveis tormentos físicos e morais antes de ser acolhido na glória celeste.

Após 35 anos de intensíssimo labor apostólico e 70 de idade, caiu gravemente enfermo. Pouco a pouco foram-se paralisando as extremidades de seus membros, e um forte tremor agitava continuamente seu corpo extenuado. Tornou-se “uma espécie de estátua da penitência com as honras de pessoa”, relata uma testemunha.

Os últimos quatros anos de existência terrena, ele os passou imobilizado na enfermaria do convento. E, por incrível que pareça, este homem que havia sido a alma da cidade, o pai dos pobres e o consolador de todas as desventuras, foi completamente olvidado por todos e submergido no esquecimento e no abandono.

Passava os dias, os meses e os anos em silenciosa meditação, contemplando da janela da enfermaria a imensidade do mar e escutando a São Pedro Claver - Igreja de São Nicolau - Estrasburgo.jpgmelodia das ondas que se rompiam contra as muralhas da cidade. A sós com a dor e com Deus, aguardava o momento do supremo encontro.

Um jovem escravo fora designado pelo superior da casa para cuidar do doente. Entretanto, esse que deveria ser enfermeiro não passava de bruto algoz. Comia a melhor parte dos alimentos destinados ao paralítico e “um dia o deixava sem bebida, outro sem pão, muitos sem comida”, segundo conta uma testemunha da época. Também “o martirizava quando o vestia, governando-o com brutalidade, torcendo-lhe os braços, batendo nele e tratando-o com tanta crueldade como desprezo”. Porém, nunca seus lábios proferiram a menor queixa. “Mais merecem minhas culpas”, exclamava às vezes.

Glória já nesta terra: “Morreu o santo!”

Certo dia de agosto de 1654, disse Claver a um irmão de hábito: “Isto se acaba. Deverei morrer num dia dedicado à Virgem”. Na manhã de 6 de setembro, à custa de um imenso esforço, fez- se conduzir até a igreja do convento e quis comungar pela última vez. Quase se arrastando, aproximou-se da imagem de Nossa Senhora dos Milagres, diante da qual havia celebrado a sua primeira Missa. Ao passar pela sacristia, disse a um irmão: “Morro. Vou morrer. Posso fazer algo por vossa reverência na outra vida?” No dia seguinte, perdeu a fala e recebeu a Unção dos Enfermos.

Sucedeu, então, algo de extraordinário e sobrenatural. A cidade de Cartagena pareceu acordar de uma longa letargia e por todos os lados corria a voz: “Morreu o santo!” E uma multidão incontenível dirigiu-se para o colégio dos jesuítas, onde agonizava Pedro Claver. Todos queriam oscular suas mãos e seus pés, tocar nele rosários e medalhas. Distintas senhoras e pobres negras, nobres, capitães, meninos e escravos desfilaram nesse dia diante do santo, que jazia sem sentidos em seu leito de dor. Só às 9 horas da noite os padres conseguiram fechar as portas e assim conter aquela piedosa avalanche.

E assim, entre 1h e 2h da madrugada de 8 de setembro, festa da Natividade de Maria, com grande suavidade e paz, o escravo dos escravos adormeceu no Senhor. 

(Revista Arautos do Evangelho, Set/2005, n. 45, p. 20 à 23) Por Pe. Pedro Morazzani Arráiz, EP